sexta-feira, dezembro 29, 2006

Natal no campo

Para quem estava habituado a acordar com o barulho do trânsito da Av. de Roma é uma variante agradável acordar com os chocalhos do rebanho que vem pastar debaixo da minha janela.
Deixo-vos com uma imagem das minhas novas vizinhas...

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Spider-man 3

Nesta época de estreias de filmes destinados a fazer milhões, partilho convosco algumas imagens do que promete ser um dos mais vistos de 2007. Para os fãs de longa data este tem tudo: Green Goblin, Sandman, Gwen Stacy e... Venom!!!

A não perder...

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Olisipo em Pinhel


O programa que já anunciei para dia 21 vai ser repetido por nós na Igreja de S. Luís em Pinhel (perto da Guarda) no dia 23.
Que melhor maneira de preparar o Natal que com o frio da Serra da Estrela ali mesmo ao lado?
Por estranho que pareça, já tive algumas "ameaças" de ter pessoas conhecidas a ver o concerto. Quem sabe se até na vila mais fria de Portugal teremos caras conhecidas...

Coro Gregoriano em Sesimbra

Na sexta-feira dia 22 vou ficar mais perto da minha casa nova. O Coro Gregoriano de Lisboa apresenta-se na Igreja da Santa Casa da Misericórdia de Sesimbra. Vamos cantar, como é próprio da época, a liturgia da noite de Natal, ou seja a Missa in Gallicantu (Missa do Galo).
Quem quiser escapar da azáfama dos últimos dias de compras faça favor de nos vir ver!

Olisipo no Museu do Azulejo

Amanhã às 19.00 o Grupo Vocal Olisipo apresenta-se no Museu do Azulejo. O concerto é organizado pela Antena 2, no seu ciclo de concertos abertos e será transmitido em directo. Assim, quem não puder sair de casa por causa do trânsito do Natal ainda nos vai poder ouvir. Iremos cantar os responsórios das Matinas de Natal de Estêvão Lopes Morago e canções tradicionais de Natal em arranjos de vários compositores.
É aparecer (ou sintonizar)!

Até a África do Sul...

Eu sei que já venho tarde, mas a ausência não me permitiu comentar mais cedo. No passado dia 30 de Novembro o parlamento da Áfica do Sul aprovou os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Melhor dizendo, considerou inconstitucional a definição de casamento aprovada em 1961. Assim, o país do Apartheid tornou-se no primeiro país africano a abolir a descriminação no casamento.
Nós por cá, que somos muito mais abertos estamos em último lugar na Europa dos 25 em termos de aceitação da idéia de casamentos entre pessoas do mesmo sexo, com apenas 29% de pessoas a favor comparativamente a uma média comunitária de 44%.
Quem havia de dizer que chegaria o dia em que Portugal teria leis mais descriminatórias que a ÁFrica do Sul...

Ceremony of Carols - Again, for the first time!!!

Sem descanso depois da Gala de Ópera tive a minha preocupação seguinte menos de 24 horas mais tarde: o concerto do Coro Infantil do IGL com a Ceremony of Carols de Britten no Solar dos Zagallos. Para quem passou pelo IGL na última década pode parecer que estou a repetir programa, mas na realidade é a primeira vez que fazemos a versão original para vozes iguais. O concerto fez parte do ciclo O encanto do Natal pelo canto das Crianças (pois...). Tentar controlar quase 60 crianças é uma actividade bastante longe de qualquer tipo de encanto, natalício ou não, mas, verdade seja dita, o concerto correu bastante bem.
Para quem não pôde estar presente há ainda uma oportunidade, no próximo dia 6 de Janeiro na Sé de Lisboa, desta vaz com a participação do Coro de Câmara do IGL cantando o Hino a Sta. Cecília, também de Britten. Vai ser uma bela maneira de terminar a época do Natal!

Gala de Ópera

Uma das actividades que ocupou o meu tempo (e a minha mente) nas últimas semanas foi a Gala de Ópera da Orquestra Sinfónica Juvenil. Este ano calhou-me uma participação muito mais exigente, cantando o Papageno na cena final de Die Zauberflöte e o papel titular na cena final de Don Giovanni.
Para além disto, ainda tive que me preocupar com o desempenho do coro do IGL que, como nos últimos três anos, participou.
As preocupações eram infundadas e o concerto correu muitíssimo bem. Como tenho dito várias vezes, isto são os Proms à portuguesa! O ambiente é sempre muito divertido, tanto entre cantores como na ligação com o público. Por muito assustador que seja cantar numa sala com quase 2000 lugares a reacção entusiástica do público compensa tudo. Só mesmo estando lá!
Para quem quiser consultar o programa em detalhe aqui fica o linque.

De volta!!!!

Terminada a mudança e instalado definitivamente ao sul do Tejo chegou a hora de reiniciar as notas. Espero recuperar alguns dos visitantes habituais deste cantinho. Com os concertos de Natal e os caixotes em casa era impossíveltentar voltar aqui antes, mas, como costumo dizer, o que é um mês numa vida??? Cá nos encontraremos...

domingo, novembro 26, 2006

Mário Cesariny 1923 - 2006














Do capítulo da devolução

Hoje venho dizer-te que morreste e que velo o teu corpo
no meu leito, um corpo estranho e surdo um
corpo incompreensível

aquele desespero que deixou de ter forças para erguer
os portais do outro reino tristeza de menino a
quem tiraram tudo, até a tinta e as flores e o prazer
de gritar

esse (foi visto) deve subsistir porque é a tua maneira de
tomar banho no cosmos, olhar o cosmos como os
que ainda podem interrogar as ondas e morrer

mas tu ainda não sabes a que ponto morreste; vais até
à janela, aspiras com cuidado o oxigénio que o
espaço te oferece, apontas rindo a meiga criatura
que pela rua arrasta a sua condição de animal
fulminado

depois olhas para mim, olhas as tuas mãos, e elas
ambas, tão claras, tão seguras, são as mãos de
um soldado a arder em febre, aves a percorrer o
seu novo deserto

mas tu sabes, tu viste, e mais do que eu; a mão do
homem é doce e iluminada como a noite como
um rasto de fumo sobre os hospitais

tivemos uma história mas a história foi-se, em fileiras
angélicas e gratas, a fazer a manhã de outras
paragens; outra sombra, outros olhos seme-
lhantes

noutro leito nas nuvens deito os teus cabelos, o teu
cansaço e a minha miséria, os teus braços e os
meus, altos como cidades, altos como flores

parou o automóvel, lá em baixo, e eu não tenho mais
que descer as escadas, fechar ainda a porta do
teu quarto, atravessar de um pulo a minha própria
vida

agora posso sonhar até deixar de te ver

belo rio sem lágrimas

Mário Cesariny

...e o país ficou hoje mais pobre

quarta-feira, novembro 22, 2006

Dia de Santa Cecília

Quase no fim do dia deixo aqui a nota de que hoje se celebrou o dia da santa padroeira dos músicos e dos cegos (portanto muitos parabéns Andrea Bocelli...).
Tal como desde há vários anos participei no concerto de professores do Instituto Gregoriano e constatei que de todos os participantes era aquele que ensinava na escola há mais tempo. É oficial, estou a ficar velho. Talvez por isso tive que cantar duas canções só com uma nota: Ein Ton de Peter Cornelius e Adieu a la Vie de Rossini.
Também hoje se fosse vivo Benjamin Britten comemoraria o seu nonagésimo terceiro aniversário. Que melhor maneira haveria de concluir este poste do que recordar as palavras de W. H. Auden dedicadas a Britten e utilizadas por este no seu Hino a Santa Cecília?
Blessed Cecilia, appear in visions
To all musicians, appear and inspire:
Translated Daughter, come down and startle
Composing mortals with immortal fire.

terça-feira, novembro 21, 2006

Harry Potter and the Order of the Phoenix

Aqui fica a traila para os aficionados!!!!

A Rosa Púrpura de Alcochete

Há umas duas semanas tive a oportunidade de fazer dois concertos com uma das minhas obras favoritas, o Requiem de Mozart. Num destes concertos, o do Centro Cultural de Alcochete, repetiu-se uma sensação que tinha tido algumas vezes em concerto e que certamente terei muitas mais.
Aquilo de que falo nada tem que ver com o facto de uma vez mais, à boa portuguesa, se ter construido um edifício dedicado à cultura sem quaisquer acessos ou cuidado com a zona envolvente. De facto o dito centro cultural não tem nem uma placa indicativa em toda a vila de Alcochete e está ligado a esta apenas por estradas de terra. Isto num dia em que chovia torrencialmente não foi, evidentemente uma vantagem. Também não é um ponto a favor o facto de o dito Centro não ter nenhuma zona coberta no exterior, o que fez com que todo o público tivesse que escolher entre estar concentrado na entrada apinhada de gente ou à chuva. Também não falo das razões que levam um arquitecto a construir um edifício para estes fins e construir apenas quatro camarins sem espelhos nem casa de banho. Na zona de bastidor há apenas uma casa de banho mista. Para compensar, esta casa de banho tem dois chuveiros... Por último, não falo da magia organizacional que leva a que, ao ver dezenas de pessoas a mais do que a lotação da sala permite acomodar se deixe entrar todo o público sem controlar os bilhetes para depois se pedir que se evacue a sala já depois da hora marcada para o início do espectáculo e então sim controlar as entradas.
O símbolo maior do problema de que falo estava sentado à minha frente: um casal com uma criança, criança esta que durante todo o cncerto jogou com o seu Game-boy, chamando frequentemente a mãe para que esta visse a última jogada. Tudo isto foi feito sem ruido, mas distraia! Mais que isso, indica a preparação que o casal deu a esta criança para ir assistir ao concerto. É verdade que houve outros casos bem piores. Um criança numa das filas de trás corria sistematicamente de um lado para o outro da plateia de praçoa no ar imitando uma bailarina, outros dois irmãos pediam gemendo para que os pais os levassem embora, escolhendo cautelosamente o momento das pausas entre andamentos. Num interessante caso edipiano uma mãe dava beijos na boca ao seu filho enquanto este lhe apertava os seios. Como é óbvio, não se tratava de uma criança de colo. Se juntarmos a isto os casos mais habituais das pessoas que conversam em voz normal sobre todo o tipo de assuntos e os membros do "clube da primeira palma", que aguardam ansiosamente por qualquer momento de silêncio (como a suspensão no acorde de sétima diminuta no fim do Kyrie) para irromper em aplausos, penso que dará para imaginar o ambiente.
Aquilo que motiva o título deste poste é a sensação que tive a uma dada altura que para aquele público (e para tantos outros) os elementos em palco não são reais, ou pelo menos não presenciais. Parece-me que para muitos a invasão constante da TV leva a que os músicos de carne e osso que estavam a dar o seu melhor naquele momento não eram mais reais do que o elenco da Couve-Floribella ou qualquer outro programa ou filme. A falta de respeito pelo trabalho dos artistas presentes só pode ser explicada por esta falta de noção da realidade. A sensação que me deu foi que se algum de nós falasse com o público causaríamos a mesma reacção que o Jeff Daniels ao sair do écran de cinema para se dirigir a Mia Farrow no filme de Woody Allen.
Uma coisa eu sei. Eu próprio senti a mesma curiosidade e tive vontade de descer do palco e perguntar porque razão tinham ido àquele sítio. Talvez assim alguém dissesse mais tarde: I met a wonderful new man. He's fictional but you can't have everything.

sexta-feira, novembro 17, 2006

Ausências...

Aqui estou de volta a este espaço, após uma ausência prolongada causada por uma avaria no meu computador. É assustador ver como em tão poucos anos a nossa existência ficou condicionada pelo funcionamento de uma máquina.
Lembro-me de há alguns anos circular pela net um e-mail que comparava a Geração Heidi (a minha, nascida e crada noa anos 70) com a Geração Pokémon (as crianças dos anos 90). Uma das coisas mais marcantes é a evolução da tecnologia. Para a maioria dos meus alunos, sobretudo para os mais novos, já deve ser difícil imaginar um mundo sem Internet ou telemóveis, mas será que todos têm noção das diferenças?
Quando eu entrei para a escola (quase nos anos 80, atenção) tínhamos dois canais de televisão que emitiam a preto e branco. Eu, como grande parte das pessoas tinha um aparelho que só tinha um canal, portanto só podia ver a RTP 1. Este canal emitia só de manhã, parava à hora de almoço e voltava a transmitir à tarde, continuando pela noite dentro até à meia-noite ou, nos fins de semana, muito mais tarde que isso, com filmes que terminavam quase às duas da manhã!!! De manhã aos Sábados viam-se desenhos animados. Para além da Heidi havia o Marco, o Vicky, o Bana e Flapi, o Jacky, o Dartacão e o Tom Sawyer.
Os discos eram de vinil e copiavam-se para cassettes. Tanto uns como outros se deterioravam com o uso. Uns anos mais tarde apareceram os leitores de cassettes portáteis, que facilitaram a possibilidade de ouvir música fora de casa.
A maioria das pessoas não tinha telefone em casa. Os pedidos para os TLP (Telefones de Lisboa e Porto) demoravam vários anos a ser atendidos. O nosso estava pedido desde antes de eu nascer e apareceu já eu andava na escola.
Havia auto-estrada entre Lisboa e Vila Franca de Xira para o Norte e entre Lisboa e Setúbal para o Sul. Uma viagem para o Porto demorava perto de seis horas, contando com as paragens, claro. De comboio a mesma coisa, o que é relevante já que muita gente não tinha carro.
Jogavam-se jogos de tabuleiro e o Monopólio era sempre um dos favoritos. Passava-se pela casa partida e recebiam-se dois contos. Mais tarde apareceram os jogos de vídeo. O primeiro aparelho de que me lembro era de uma amiga minha e era o clássico e emocionante jogo de ténis no qual cada jogador controlava um traço que se movia na vertical pelo écran e tinha que interceptar um quadrado que se movia a velocidade nada estonteante.
Todas as crianças liam, nem que fossem os omnipresentes livros da Enid Blyton, os Cinco, os Sete, as Gémeas e outros que tais. Outro dos favoritos era o Petzi e a Anita para as meninas. Quando nos aproximavamos da adolescência liamos BD franco-belga: Tintin, Astérix, Luc Orient, Michel Vaillant, Blake e Mortimer ou qualquer outra coisa que nos aparecesse à frente. Os albuns só eram lançados depois de editados página a página na revista Tintin, "para jovens dos 7 aos 77 anos".
Coleccionavam-se cromos e levavam-se para a escola os repetidos para a troca. Os rapazes tinham os de futebol e das séries de ficção científica da moda (Espaço 1999, Star Trek, Galactica) e as meninas tinham os Dias Felizes.
Vestíamos todos roupas iguais (nos dias de ginástica os fatos de treino pretos ou vermelhos com as riscas brancas de lado) que já tinham vindo dos irmãos mais velhos e passariam para os mais novos. As crianças e adolescentes eram tendencialmente muito feiotas, cheias de borbulhas e não usavam cosméticos de qualquer tipo. Os poucos que fumavam ou namoravam antes do sétimo ano eram conhecidos por todos na escola como rebeldes!!!
Mais algum dos meus companheiros de Internet se lembra desta época? Ainda mais importante, sou só eu que às vezes me questiono se a Internet, os sessenta e tal canais de TV, os CDs, os MP3, os PCs, os DVDs e outros que "tês" valem mesmo termos que gramar com a Floribella e os Morangos com Açúcar???

terça-feira, novembro 07, 2006

Orphée

No meio da afonia depressiva (ou será depressão afónica) que me levou a cancelar o recital que tinha programado para amanhã no S. Carlos e que seria transmitido em directo para a Antena 2 resolvi tirar uns momentos para postar esta foto tirada no fim de uma das récitas da Déscente d'Orphée aux Enfers.
Foi um excelente exemplo de Lei de Murphy em acção, mas para cada um destes casos há sempre um de Milagre à Portuguesa, e esta não foi excepção. No meio de todas as atribulações conseguimos ter um excelente resultado, fazer boa música e, mais importante que tudo isto, divertirmo-nos à grande.
Mal posso esperar por repetir...

quinta-feira, novembro 02, 2006

Requiem de Mozart

Continuando uma sequência de muito trabalho (felizmente), vou ter a oportunidade de fazer mais dois concertos com uma das minhas obras favoritas. Desta vez com a orquestra Sinfonietta, o coro Ricercare, tudo dirigido pelo Vasco Azevedo. É engraçado pensar que da primeira vez que cantei o Requiem, há muitos, muitos anos no coro do IGL, estavam lá comigo a cantar membros do Ricercare, da Sinfonietta, o maestro e o solista tenor. Assim se vê que é um país pequenino.
Falando em solistas, reúne-se o "quarteto fantástico" que há poucos meses cantou a Petite Messe do Rossini: eu, a Marisa Figueira, a Natália Brito e o Marco Santos.
Os concertos são amanhã na Sé de Santarém e na sexta-feira no Centro Cultural de Alcochete, ambos às 21.30.
Será que alguém tem vontade de atravessar a ponte para ir até Alcochete?

sexta-feira, outubro 27, 2006

Oh pá, tão linda!!!


Apesar de já saber que os anúncios iam passar fico sempre muito orgulhoso de ver a minha querida mana a iluminar a televisão. Ao menos agora já ninguém se pode queixar de que nunca dá nada de jeito!!!

Agora fica n ar a grande pergunta: será que o Vêgê também é bom para fritar trutas?...

Greaser Babies

Ora aqui fica uma coisa que a Diana me mandou e é tão bizarra que acaba por ter graça! Por este andar qualquer dia começo a achar graça às fotografias da Anne Geddes...

segunda-feira, outubro 23, 2006

Cenas de uma produção

Para que não restem dúvidas quanto ao ambiente divertido, aqui ficam algumas cenas de ensaio captadas pela objectiva infalível da L.

La Déscente d'Orphée aux Enfers

Passados alguns dias de trabalho muito intenso mas também muito compensador estão quase terminados os ensaios para a ópera de Charpentier La Déscente d'Orphée aux Enfers que será apresentada no Auditório Municipal de Óbidos no próximo Sábado às 21.30.
Apesar de ser uma repetição da produção apresentada em Vigo no ano passado temos alguns novos cantores. O elenco conta com Raquel Alão, Rosa Caldeira, Luisa Tavares, João Moreira, João Rodrigues, Armando Possante e Carlos Pedro Santos, para além de Marco Santos no papel de Orfeu. Seremos acompanhados pela orquestra barroca La Nave Va (em grande forma), tudo isto dirigido pelo meu querido António Carrilho (vulgo TZ).
Espero, como sempre, ver muitas caras conhecidas e amigas no público!

segunda-feira, outubro 16, 2006

Last, but not least

Estas são aquelas pelas quais rejo a minha vida:

If you want to tell people the truth, make them laugh, otherwise they'll kill you.

Seriousness is the only refuge of the shallow.

Anyone who lives within their means suffers from a lack of imagination.

Cada vez que redescubro Oscar Wilde tenho vontade de reler tudo! Há mais de um ano que não leio The picture of Dorian Grey. Talvez seja a altura...

Mais Wilde

Espero que o facto de ter lembrado a data não seja ofensivo para o autor, já que ele próprio disse:
Most modern calendars mar the sweet simplicity of our lives by reminding us that each day that passes is the anniversary of some perfectly uninteresting event.

Happy birthday, Mr. Wilde

Não podia deixar passar em branco que hoje é o aniversário do grande Oscar Wilde. Talvez não falte muito tempo para voltar a referi-lo, já que Rupert Everett anunciou recentemente que vai começar a trabalhar num filme sobre os últimos anos de vida do autor. Espremos que esteja à altura do genial Wilde com Stephen Fry.
Para celebrar a data pensei em juntar um dos poemas de Wilde, mas esta citação é tão deliciosamente actual que nos faz pensar se o bom do Oscar não anda por aí ainda a espreitar os acontecimentos:
America is the only country that went from barbarism to decadence without civilization in between.
Pois, isto diz ele porque nunca veio a Portugal...

domingo, outubro 15, 2006

Batmobiles 1960 e 2000



Mais umas adições à colecção. Desta vez não consegui encontrar fotos na net e teve mesmo que ser em desenho, que ainda assim se vê bem melhor do que se tirar eu uma foto.
A oferta da Corgi continua a crescer e os fãs com eu não resistem. Se ao menos conseguisse arranjar os de 1940 e 1950 que me faltam.
Enfim, boys and their toys...

terça-feira, outubro 10, 2006

Horizonte aberto

Há mudanças que trazem vantagens, como poder ter esta vista da janela do quarto...

sábado, outubro 07, 2006

Justice League of America

Como se pode ver pela capa do número 1 da nova série da DC Comics já há aparentemente uma escolha feita quanto às personagens participantes. Apesar disso, segundo o autor, o romancista Brad Meltzer, só no fim do primeiro arco será definida a equipa definitiva.
É uma das melhores séries de BD da actualidade, continuando o trabalho que Melzer tinha iniciado na genial Identity Crisis, série sobre a qual já prometi várias vezes falar.
Para os apreciadores de comics de super-heróis é aproveitar enquanto a série está no início.

Scary...

Será só para mim que este boneco tem o efeito oposto no que diz respeito a marketing e publicidade?
Uma coisa garanto, este é um talho no qual não tenho vontade de entrar. Mais alguém está com um flashback do Delicatessen?

quinta-feira, outubro 05, 2006

Olisipo em Évora

Amanhã, dia 6 de Outubro, lá vou eu novamente a caminho de Évora, algo que me dá muito prazer. Às 18.30 o Olisipo apresenta-se na Sé Patriarcal num concerto inserido na programação das IX Jornadas Internacionais "Escola de Música da Sé de Évora"
O programa é dedicado ao tema da devoção mariana na Escola de Música da Sé de Évora e inclui peças de Manuel Cardoso, Francisco Martins, Diogo Dias Melgás, Estêvão Lopes Morago e Filipe de Magalhães (deste último a maravilhosa Missa Dilectus Meus). Para além de mim estarão a Elsa Cortez, Susana Duarte, Lucinda Gerhardt e Diogo Cerdeira.
Para quem quiser ir passear a Évora para aproveitar o fim de semana prolongado será uma forma de ouvir boa música. Até lá!

sexta-feira, setembro 29, 2006

Olisipo no Monte dos Perdigões


A música e o vinho são dois dos grandes prazeres da vida que se juntaram no passado Domingo na inauguração da gigantesca adega do Monte dos Perdigões, perto de Reguengos de Monsaraz.
Foi nesta lindíssima propriedade, pertencente noutros tempos a Damião de Gois e, uns quatro séculos mais tarde, ao seu descendente Luís de Freitas Branco, que tivemos oportunidade de actuar em conjunto com o Quarteto Lacerda.

Apesar do cheiro avassalador do mosto e do ruido constante dos telemóveis dos colunáveis foi uma tarde muitíssimo bem passada, com boa música, um excelente almoço bem regado com vinhos da região (o tinto já o de produção própria) e, mais importante óptima companhia. Não há como o Alentejo!

Privilégios


A Escola Superior de Música de Lisboa pode ter muitos defeitos, grande parte dos quais ligados à exiguidade e precariedade das instalações. Por isso mesmo, todos os professores e alunos anseiam pela mudança para as novas instalações no campus universitário de Benfica.
No entanto, e apesar de todos os problemas, a vista magnífica das janelas da Rua do Ataíde não perdeu nada do seu encanto desde que para lá entrei há 15 anos. Não há de certeza outra escola com uma vista mais deslumbrante, como mostram as fotos que tirei da janela da minha sala no primeiro dia de aulas.
Temos ou não temos a cidade mais linda do mundo?

terça-feira, setembro 26, 2006

Dia da Música

É verdade, já passou mais um ano. É já este Domingo que se comemora o dia da Música. Para comemorar a data as duas escolas oficiais da capital (para quem não sabe o Conservatório Nacional e o Instituto Gregoriano) vão repetir o concerto final do ano lectivo passado, interpretando a Missa Nº2 em mi m de Anton Bruckner. Teremos uma vez mais o Coro do IGL e o Coro da Escola de Música no Conservatório Nacional, acompanhados pela Orquestra e Sopros da EMCN, tudo isto dirigido pelo maestro José Augusto Carneiro.
Na primeira parte do concerto poderão ainda ouvir o Coro de Câmara do IGL (cantando partes do Requiem de Duarte Lobo) e o Coro Peregrinação da EMCN.
Bem sei que a maioria terá os seus próprios concertos nesta data, mas para os restantes, espero encontrar-vos no Domingo às 21.00 na Sé.

sábado, setembro 23, 2006

Grandes mudanças 3

Desta ainda menos gente sabe, e é a menos certa de todas, mas já que falo de mudanças senti uma certa compulsão para fazer o poste. Não me vou alongar, até porque realmente não tenho quaisquer certezas, mas tudo se parece encaminhar num certo sentido.
Lá que será uma grande mudança, disso não há dúvidas.

Grandes mudanças 2

Outra das grandes mudanças na minha vida para este ano caiu que nem uma bomba durante o Verão. Se por um lado me sinto muito contente e honrado com o convite para ensinar na Escola Superior de Música, por outro lado confesso que foi assustador ver o meu nome na lista dos professores do curso de Canto.
Sei que não vou embandeirar em arco com a situação. Não sou nem mais nem menos competente para o cargo do que era na véspera de ser convidado e sei que o facto de lá estar este ano não quer (absolutamente nada) dizer que lá vá estar para o ano ou daqui a dois anos.
Um pormenor compensador foi a quantidade de pessoas que já me veio perguntar se tenho vagas este ano e para o ano e se nos próximos anos vou dar mais do que o primeiro ano. Compensador porque revelador do carinho das pessoas e de uma relação saudável criada ao longo dos anos.
Como disse, não estou nem vou inchar com o cargo e lembrei-me imediatamente do meu ex-professor, actual colega, que várias vezes me disse (com muita razão) que os professores de canto vêm e vão por modas e que a cada ano há alguém com quem toda a gente quer trabalhar, o que não é necessariamente um sinal de qualidade.
Dito isto, espero não desapontar ninguém e poder continuar ligado à Escola que, com todos os problemas que tem, me formou a mim e a tantos outros e continua a ser a única por estas bandas. O tempo o dirá...

Grandes mudanças 1


Acho que neste momento, depois de algum tempo de incertezas, já posso deixar de ter medo que não seja possível e começar a ter medo que seja!
Após anos e anos a viver no centro da cidade e sem compreender as decisões dos que dela saem vou provavelmente fazer o mesmo.
Caso se concretize a mudança serão todos muito bem vindos para visitar, até porque espaço não falta.
Para quem quiser saber basta ficar atento ao belogue.

Rentrée

Depois de já ter reiniciado a temporada a solo é a vez do Grupo Vocal Olisipo. Vamos cantar este Domingo em Reguengos de Monsaraz num concerto privado de homenagem a Freitas Branco. Teremos a grande honra e prazer de ser acompanhados pelos nossos colegas de editora, o fabuloso Quarteto Lacerda. O programa tem obras de Freitas Branco, D. João IV, Mozart e César Franck.
Apesar de ser um programa a quatro vozes deixo aqui uma das nossas fotos com a minha querida L., que fica sempre bem em qualquer beloguezito!

As intermitências da vida

Como se não bastasse ter tido uma semana na qual estive quase todos os dias no Instituto Gregoriano das 10 da manhã às 8 da noite e com ensaios de seguida, o meu computador fez o favor de morrer a meio da semana! Segundo me parece foi só o botão de ligar que está com algum problema e, pelo menos por enquanto, a máquina voltou ao mundo dos vivos.
Com todas estas atribulações (e algumas outras, que agora não vêm ao caso) andei afastado desta página, mas espero retomar o contacto regular com os meus fiéis (?) leitores.

terça-feira, setembro 19, 2006

Frase do dia

Têm umas lindas vozes. Só é pena não terem vindo com livro de instruções...

quarta-feira, setembro 13, 2006

Frase do dia

Just because everything is different doesn't mean that everything has changed.

John F. Kennedy

Reconhecimento

É bom ver que o trabalho realizado durante uma vida, por mais curta que tenha sido, não desaparece da memória de todos com a facilidade que se pensa.
13 anos depois e algo fica para prestar testemunho da passagem por cá.

terça-feira, setembro 12, 2006

Cenário de luxo

Quem havia de dizer que uma igreja seria um cenário tão fantástico para um recital de canto e piano?
Um engano do afinador que afinou o piano errado reverteu a nosso favor, já que pudemos ter este envolvimento e este piano magníficos em vez de um piano vertical nos claustros do Convento dos Remédios, em Évora.
Uma coisa é certa, com este envolvimento vai ser um aniversário do qual não me vou esquecer por muitos anos!

sexta-feira, setembro 08, 2006

quarta-feira, setembro 06, 2006

Dichterliebe

Pois é, a nova temporada já começou. O nosso meio é tão pequeno e difícil que só me posso dar por contente por ter a oportunidade de repetir mais uma vez o programa de Lied com a minha querida Luiza da Gama Santos. Depois de Lisboa e do Festival da Póvoa de Varzim é a vez de Évora, a convite do Eborae Musica.
Tal como nos outros dois recitais o programa homenageia Mozart e Schumann, compositores dos quais interpretaremos uma série de canções, a saber: Das Veilchen, Der Zauberer, Ariette, Lied der Trennung, Als Luise die Briefe e Kleine Deutsche Kantate de Mozart e o maravilhoso ciclo Dichterliebe de Schumann, uma daquelas obras que quanto mais se conhece mais se gosta.
Tendo em conta a data que se comemora a partir da meia-noite sei que vou ter amigos no público. Todos aqueles com quem ainda não falei são também muito bem vindos!!!

24 mania

Outra das razões para andar tão afastado deste belogue é estar absorvido pela quinta série do fabuloso 24.
Ao contrário da maioria das séries que vão piorando com as repetições, 24 está a ficar cada vez melhor, como comprova a vitória nos Emmys na semana passada. Pela primeira vez a série levou para casa o prémio para melhor realização (pelo mind-blowing primeiro episódio), melhor actor (para Kiefer Sutherland) e melhor série dramática. Nada mal, pensando que está no seu quinto ano de produção. O sucesso está a ser tal que os produtores já têm planos para continuar pelo menos até à oitava série e lançar pelo meio um filme de longa metragem no cinema (previsto para 2008).
O "drama em tempo real" mantém o hábito de nos fazer esperar o inesperado e neste ano grande parte das personagens regulares não vão sobreviver. Muitos, aliás, foram eliminados no já referido primeiro episódio.
Resta-me recomendar que não percam na 2:. Quanto a mim vou agora ver o último episódio!!!

As lentas nuvens fazem sono

As lentas nuvens fazem sono,
O céu azul faz bom dormir.
Bóio, num íntimo abandono,
À tona de me não sentir.

E é suave, como um correr de água,
O sentir que não sou alguém,
Não sou capaz de peso ou mágoa.
Minha alma é aquilo que não tem.

Que bom, à margem do ribeiro
Saber que é ele que vai indo...
E só em sono eu vou primeiro.
E só em sonho eu vou seguindo.

Fernando Pessoa

Este poema é particularmente adequado para a minha vivência desta semana. É a primeira semana do ano lectivo e o Instituto Gregoriano começou da melhor maneira, com uma acção de formação para professores dada pelo Prof. Christopher Bochmann com o tema A Análise através da audição.
Quando digo que começou da melhor maneira é sem a menor ironia, já que quem conhece o Bochmann sabe que ele é absolutamente brilhante. Ter à nossa frente alguém que conhece ao pormenor uma porção considerável do repertório da História da Música Ocidental e que, para além de conhecer, consegue escrever e tocar ao piano na tonalidade certa qualquer parte de todas as peças que nos possam ocorrer, desde a Missa de Machault até ao Marteau sans Maître de Boulez é sem dúvida uma experiência que vale a pena.
Como é evidente, uma pessoa com esta bagagem é necessariamente uma pessoa ocupada. À conta disso, o plano original de ter a acção de formação a durar uma semana com cinco horas diárias (das 10 às 13 e das 15 às 17) teve de ser alterado. Em vez disso temos três dias das 9 às 13 e das 14 às 17. Sete horas por dia a começar às 9 da manhã. Com o calor que tem estado é uma provação que só se ultrapassa pelo facto de o formador ser quem é.
Ainda assim, confesso que a partir da terceira hora já começo a sentir os olhos a revirarem-se e a ficarem colados à nuca. Pouco depois disso chega aquele momento em que as pálpebras se juntam como se tivessem cola de contacto e quando finalmente conseguimos levantar a pálpebra superior ela nos prega a partida e leva a retina atrás. Neste momento temos os olhos completamente abertos mas não vemos nada e apercebemo-nos que se alguém olhar para nós só vai ver o branco dos olhos. Neste ponto surge o dilema: voltar a fechar os olhos e arriscar que todos percebam que estamos a dormir ou continuar a parecer um figurante da Noite dos Mortos-Vivos? Foi uma luta difícil, ao som de Schönberg e Webern. Nem os dois cafés que bebi no intervalo chegaram para eliminar a soneira patológica. Como disse, valha-me o Bochmann, garanto que com alguém menos interessante teria mesmo adormecido.

terça-feira, agosto 29, 2006

Fim de semana em Constância






Mais uma escapadela de fim de semana, desta vez para Constância para aproveitar as fabulosas paisagens das margens do Zêzere.
Um solar quinhentista com esta maravilhosa piscina era mesmo o ideal para relaxar neste final de férias e comemorar o aniversário do Bilix

quarta-feira, agosto 23, 2006

X_Tina Back to Basics

Christina Aguilera está de volta, com um albume que, como o próprio nome indica, pretende incluir sonoridades características do início do sec. XX.
Pelo que já ouvi, é provavelmente o melhor trabalho de Aguilera, com uma sonoridade muito actual mas recheada de referências de Soul e R&B, começando pela genial capa retro, com o logotipo clássico da RCA.
Para quem duvida, o fabuloso Nasty Naughty Boy está nas "Outras Notas". Vale a pena ouvir!

segunda-feira, agosto 21, 2006

The Simpsons

Uma categoria que já não está em dúvida nos Emmys é a de melhor série de animação. Prestes a entrar na sua 18ª série e a tornar-se a mais longa sitcom de sempre nos Estados Unidos, The Simpsons levaram para casa o galardão pela nona vez, passando desta vez à frente de South Park e Family Guy.
Para comemorar a "maioridade" da série, os seus criadores anunciaram recentemente a passagem da cidade de Springfield e dos seus habitantes ao grande écran. O projecto estava planeado desde a segunda série, portanto há mais de 15 anos, mas só agora vai ver a luz do dia.
Aqui fica um pequeno aperitivo, entretanto já falta menos de um ano!!!

Emmys 2006

É já de hoje a uma semana, dia 27, a entrega dos Emmys de 2006, o prémio equivalente aos Óscares para a televisão. Por cá vamos poder ver (penso que) pela primeira vez a cerimónia em directo no canal AXN a partir da 1h.
A grande surpresa das nomeações foi a ausência dos grandes vencedores do ano passado, duas das minhas séries favoritas, Desperate Housewives e Lost, respectivamente na categoria de Comédia e Drama. Não foram apenas as séries que ficaram ausentes das nomeações, mas os seus actores também. Pensando que as quatro protagonistas de Desperate Housewives foram nomeadas o ano passado, foi realmente surpreendente.
Entre os nomeados contam-se várias das minhas séries favoritas, como 24, House, M.D. e The West Wing. Entre os actores e actrizes nomeados que gostaria de ver reconhecidos estão os de Will & Grace, perpétuos nomeados, desta vez na sua última oportunidade, já que a série terminou, Kiefer Sutherland, por 24, Peter Krause e Frances Conroy pela última série de Six Feet Under e Geena Davis por Commander in Chief. A lista completa dos nomeados está aqui. Agora é só ver o AXN.

domingo, agosto 20, 2006

Palavras para quê?

Nem vale a pena comentar estas lindas imagens do Palpatine XVI, roubadas descaradamente às Corzinhas.
Agora já sabemos de onde vêm todas as dúvidas existenciais que o levaram a perguntar onde estava Deus ao visitar Auschwitz, sobretudo pensando que ele próprio estava na Alemanha e na Juventude Hitleriana. Está tudo explicado! Ele quer é levar-nos para o dark side da fé...

sábado, agosto 19, 2006

Americanos matarruanos

Os grandes humoristas são assim, mesmo sem intenção têm uma tendência de estar ligados ao zeitgeist e fazer e dizer coisas que têm a máxima relevância e actualidade. Assim foi com o Rap dos Matarruanos dos Gato Fedorento.
O caso vem, como não podia deixar de ser, dos Estados Unidos, onde a candidata a governadora do estado do Colorado, Janet Rowland, fez recentemente declarações contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, considerando a homossexualidade um estilo de vida alternativo comparando-o ao bestialismo. Nas suas palavras exactas: For some people, the alternative lifestyle is bestiality. Do we allow a man to marry a sheep?
Como é evidente, a candidata já deu o dito por não dito e pediu desculpas ao eleitorado (chama-lhe parva), falando de todos os seus amigos e colegas de trabalho homossexuais pelos quais tem o maior respeito (yeah, right. Com amigas destas...). A forma deste pedido de desculpas é que não foi a melhor, já que inclui outra comparação infeliz, desta vez com a poligamia e a promiscuidade, ao dizer que nem todas as pessoas devem ter o direito ao casamento: Some people have group sex. Should we allow two men and three women to marry? Should we allow polygamy, with one man and five wives? Não contente com estas pérolas de sabedoria Rowland voltou a bater na mesma tecla e disse: I know some of you are outraged that I would compare bestiality to this. Forty or 50 years ago, people would be outraged that we were talking about gay marriage.
Não vale a pena fazer grandes comentários sobre as afirmações. Uma pessoa que nas suas próprias palavras admite o seu pensamento obscurantista e o facto de estar 50 anos atrás do seu próprio tempo não merece que percamos muito tempo com ela. A única coisa que posso fazer é entrar na mesma onda que a senhora e dizer: É com a minha obelha que eu quero estar fachabor!!!

quinta-feira, agosto 17, 2006

Rap dos Matarruanos!

Depois de voltar a ver o fantástico Rap dos Matarruanos no Gato Fedorento ontem à noite na RTP tive mesmo que partilhar.

Tudo a ver o Rap, fachabor!!!

Explicação das notas

Constatei recentemente que vários dos frequentadores deste belogue não se tinham ainda apercebido da existência das várias categorias de notas na barra à direita. Assim sendo, parece-me boa ideia passar a explicar:
Notas de Música são selecções que me pareçam interessantes e que andem a passar pelo meu leitor de CDs ná área da música clássica (ou como dizia a outra, na música dita erudita).
Outras Notas são precisamente o mesmo tipo de selecções, mas na área não erudita.
Por último As Minhas Notas são, obviamente, gravações minhas, seja em concerto ou em disco.
Para ouvir qualquer das selecções basta carregar (duas vezes) no botão play na barra por baixo da imagem da capa do disco.
Agradece-se feedback, tanto quanto à iniciativa como quanto à selecção de faixas!!!

Brinquedo novo

Que lindo que é o meu novo brinquedo da Yamaha!!!
Depois de alguns anos a lidar com algumas máquinas com sons bastante duvidosos e de estar constantemente na dúvida quanto à utilidade de restaurar o meu piano apercebi-me subitamente da crua realidade: um piano eléctrico com um bom som não tem nunca de ser afinado, faz as transposições sozinho e até tem som de cravo e órgão para quando isso é necessário. Para além de tudo isto, a única desvantagem é que não serve para um pianista, e se há coisa que eu não sou é pianista!!!
Posto isto, aqui fica a foto do meu novo orgulho.

Mais bacoradas



















Encontrei este cartaz durante as minhas féreas, no fim-de-semana passado




















Foram umas féreas impecavéis




















É tudo uma questão de manter sempre o sentido de humur...

quinta-feira, agosto 10, 2006

Superman Returns - Trailer

E aqui fica o aperitivo, com um Kevin Spacey deliciosamente louco.

Superman Returns

Finalmente, mais de um mês depois de ter estreado nos Estados Unidos, Superman regressa hoje às salas de cinema de Portugal, pelas mãos do realizador Bryan Singer (The Usual Suspects, X-Men). À imagem do que aconteceu em 1979, com o filme de Richard Donner, o protagonista é um quase desconhecido, Brandon Routh e Lex Luthor é um actor oscarizado, neste caso Kevin Spacey, substituindo Gene Hackman.
Apesar de todas as polémicas ligadas ao filme, como os vários rumores na net que afirmam que Routh conseguiu o papel na horizontal e uma fortíssima campanha que apresenta o filme como excessivamente gay, as críticas que já li negam este facto e todas dizem que a única tendência marcada é a de apresentar um Super-Homem demasiado messiânico.
Seja como for, mal posso esperar para ver! Se estiver ao nível de algumas das mais recentes adaptações de comics ao grande ecran, como Batman Returns e a triologia X-Men vai com certeza valer a pena.

quarta-feira, agosto 09, 2006

National Underwear Day

Com este calor insuportável confesso que tenho tido muito pouca energia para postar seja o que for. Apesar disso, não resisti a mostrar esta foto tirada em Nova Iorque durante o National Underwear Day. Este dia, que se comemora desde 2003 por iniciativa da empresa de roupa interior Freshpair.com e pretende divulgar o catálogo da companhia ao mesmo tempo em que promove uma irreverência que lembra os anos '60. Só na América...
Apesar de tudo, com esta vaga de calor a vontade que me deu foi de promover uma iniciativa do mesmo género cá. Acho que deve ser a melhor maneira de aguentar as temperaturas...